domingo, 23 de julho de 2017

O canto da sereia

                                            


Somos uma nação em formação e nossas lideranças são, muitas vezes, forjadas por diretrizes bem intencionadas mas perdidas na interferência equivocada. O Velhaco é uma delas. Nascido nas águas de um tempo turbulento, encaixava com justeza nas teorias comunistas que prega o poder do proletariado. E o que é um proletário? Uma pessoa vinda do nada, de origem na camada mais pobre da população, sem instrução, operário de atividade simples ou  mecanizada, recebendo ordens de superiores e facilmente influenciado por intelectuais instruídos nas teorias sociológicas, prontos para aplicar o que leram e decoraram.

Em uma época em que um operário / sindicalista chegou ao poder na Polônia, um sindicalista que emergiu com o fim da opressão comunista, o Brasil, macaquito de sempre, resolveu copiar a zoropa e cunhou o seu líder operário e sindicalista, conduzido magistralmente pelos intelectuais ávidos em aplicar suas teorias sociais.

O povo, cansado de ser governado por gente vinda das altas camadas sociais que não correspondiam, aderiu à oportunidade de fazer história. Mas não contavam com a astúcia dos manipuladores de sempre, que com pouca resistência para comprar almas e vidas, encontraram então facilidade para jorrar dinheiro nos bolsos de quem nunca teve nada na vida. Não resistiram ao Canto da Sereia.

Com a certeza da impunidade, os petralhas tornaram-se uma gang de ladrões que aliam-se  a outras gangs, formando a maior quadrilha, saqueando os cofres públicos do planeta. Se o dinheiro compra tudo, essa gente conseguiu organizar-se de tal maneira que havia contabilidade definida e sofisticada para pagamento e controle, com adesão internacional. Compraram aqui e lá. 

Quem foi ludibriado, quem escolheu acreditar e apoiar essa gente, pessoas honestas mas teóricas, dificilmente acredita, do alto do seu ego de sabichão, que caiu em uma arapuca. Ou que ficou fora da bolada bilionária desviada dos cofres públicos. Continuam com seu discurso decorado, com formatação feita por toda vida e com sérias dificuldades de deletar tudo e mudar de rumo. Admitir erros não é nada fácil. 
A maquina da inteligência humana é um mistério e a formatação desses brasileiros é a calamidade para a nação. A dificuldade de mudar de rumo levou e leva nações para o buraco. Como admitir que o que aprendeu não é ordem unida de quartel?
Por isso estamos como estamos. A a teoria na prática é outra.  Não amarraram-e no mastro para resistir o canto da sereia.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O experimento

                                           

O Velhaco sempre mostrou-se um velhaco. Fico pasma como gente tida como inteligente e culta não tenha percebido isso. A menos que o tenham usado para experimento de suas teses estudadas em livros de pensadores zoropeu. Tem muito intelectual nacional que apenas repete o que leu, sem dedução ou adaptação ao que o Brasil precisa. Cópia rasteira de teorias ultrapassadas, escritas por gente que nem sabia onde ficava o Brasil, quando o Brasil sequer era Brasil. Teorias aplicáveis onde havia gente branca, com sociedade definida nas regras e lugares de seus cidadãos. O Brasil não se enquadra nessa categoria. Nosso inimigo não está aqui dentro mas fora, no mesmo lugar em que sempre esteve.

Aqui é preciso  líderes cunhados na mistura de raças, de um Brasil multifacetado, um continente indomável. Um povo que não lê teorias zoropéias,   mas tem influência, inclusive no DNA, da liberdade dos índios, dos negros e dos fugidos da miséria da Europa. 
Diferente dos EUA, não vieram para cá os letrados nem os religiosos cheios de teorias celestes de povo escolhido para ser o maior país do planeta. Brasileiro não se importa em ser o melhor em nada. Ninguém nunca domou o brasileiro porque este prefere viver a vida do que disputar pódios e títulos.

Eis que aparece um Silva, nome introjetado no DNA do brasileiro de origem longínqua , com todas as características de não ser domado pelas teorias intelectuais, supostamente sabendo do que o povo precisava e alia-se ao que de pior existe na elite bandalha, corrupta. Vende-se e entrega o povo para o seu pior inimigo, o capital regido por quem sabe reger dinheiro, o dinheiro  do suor do rosto do cidadão brasileiro apoderado por quem faz dele o deus da compra e venda de almas. Velhaco a medula, usou a velhacaria para em uma trajetória de semi analfabeto, seduzir os intelctualoides sedentos em aplicar o que decoraram nos livros alienígenas e piamente tidos como certos. Todos falastrões regidos na batuta da estupidez e da vaidade da decoreba inútil.

O futuro mostrará que, dificilmente será encontrado na história da humanidade uma história escrita assim. Não existe, não haverá. As conjecturas, as forças antagônicas, um povo manso politicamente porque formado na liberdade do não deus, da liberdade da  sua própria força, do escrever sua própria vida sem cabresto estrangeiro.

Que deixem o curso da  história do Brasil caminhar sem nenhuma interferência ou teoria conhecida. Que reconheçam que não sabem nada e deixem o povo brasileiro emergir para o que quer ser e não para o que querem que ele seja.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Pronto, falei !

- Elvis de branco, o pai Vernon a esquerda e Red a direita 
                         

Preciso escrever sobre Red West que morreu anteontem, dia dezoito, aos 81 anos.
Eu sei que a maioria não sabe quem é esse indivíduo mas eu, como fã de primeira hora de Elvis, sei e quero deixar meu texto sobre esse camarada.

Elvis estudou na Humes Hight School, em Memphis, TN,USA e sofria buling por sua maneira de vestir e pentear. Em uma ocasião, quando foi agredido por  um aluno, foi defendido por outro: Era Red West. Tinham 15 anos. 
Quando Elvis ficou famoso  em 1956, ele foi agredido em um posto de gasolina por um cara e teve que ir ao juiz porque reagiu. Então, decidiu contratar guarda-costas e lembrou de Red West que estava sem fazer nada. 
Quando voltou do exército, Elvis tornou a contratar Red que continuava sem fazer nada. A partir daí Red fez parte de um grupo que acompanhava Elvis e que foi chamado de A Máfia de Memphis.
Elvis fez com que esse pessoal fosse contratado para participar de seus filmes e shows. Red apareceu em vários dos trinta e cinco filmes e algumas músicas dele foram gravadas. Viveu uma vida em Hollywood com mordomias, entre famosos, bem vestido, ganhando bem, aproveitando-se de tudo que Elvis teve. Em enésima foto os dois aparecem juntos. Elvis foi padrinho de casamento de Red, deu a ele de presente  casa, carros, jóias e etc. Enfim, eram como irmãos.

Os EUA são um país esquisito pois Red não foi convidado para a festa de casamento de Elvis em Las Vegas. Se fosse no Brasil, um homem desses nem teria convite, chegava e entrava no casamento e ponto final. Mas Red ficou ofendidíssimo e nunca aceitou as desculpas de Elvis que dizia não ter participado da lista de convidados e nem da preparação de nada. Continuou a trabalhar para Elvis mas maltratava os fãs, tratando-os de forma grosseira a ponto de alguns buscarem ação de indenização. Quando Elvis pedia moderação porque as ações estavam lhe custando caro, Red respondia de forma grosseira. Então o pai de Elvis, Vernon, o demitiu junto com outros dois seus parentes.
Não sei como funcionava ou funciona os direitos trabalhistas nos USA  mas Vernon - o pai de Elvis - não teria pago o que Red exigiu.
Foi então que Red e os outros dois escreveram um livro, detonando Elvis Presley: Elvis, What heppening?
Quando contaram para Elvis, o livro já ia ser lançado. Elvis telefonou para Red e este, entre outras coisas, disse que tinha saído sem nada e precisava de dinheiro. Por isso havia aumentado os fatos porque se escrevesse coisa comum não venderia. Elvis apenas perguntou se era a sua última palavra. Deram entrevistas para televisão, jornais, detonando Elvis de drogado e decadente para baixo. Este ficou devastado, rompeu definitivamente com Red, teve agravada  sua depressão, ficou  a poder de remédios, trancado no quarto, só saindo para fazer shows e morreu três meses depois com quarenta e dois anos. Vou poupar os detalhes porque tem muita coisa, a vida de Elvis já rendeu quase seiscentos livros.

O referido livro está a venda e só quando foi divulgado o resultado da autópsia, trinta anos após a morte de Elvis, é que se tomou conhecimento da condição física e causa da morte de Elvis. Nenhuma droga ilícita, só remédios. Mesmo assim, Red jamais pediu desculpas e ainda usou o nome e imagem de Elvis para continuar a viver até ontem, com sua morte. Um descaramento sem tamanho.
Não se sabe porque Elvis escondeu sua real condição de saúde e nunca contou para ninguém. Preferiu recolher-se no quarto, em silêncio e tudo foi tornado público por garimpagem de jornalistas, médicos  e pesquisadores.

A vida não é fácil para ninguém pois Elvis morreu jovem com quarenta e dois anos e seus detratores viveram até oitenta ou mais. E, agora aparecem fãs desejando que Red esteja junto de Elvis e os outros da Máfia ou os músicos que acompanharam o cantor na sua trajetória musical e que já morreram.

Eu comecei este texto pronta para detonar Red West porque o considero um traidor, um aproveitador mal agradecido, um péssimo indivíduo, descarado, sem vergonha. ( Mineiro tem horror de traidor por influência da Inconfidência Mineira).
Elvis morreu rompido com ele. Não posso dizer que eram inimigos porque não sei se Elvis tinha esse temperamento, parece que não tinha essa índole. Mas rompidos totalmente eu sei. Sei que Elvis preferia ficar trancado no quarto, abandonar uma suposta amizade, sem fazer nenhum comentário, a enfrentar problema ou celeuma. Passava essa tarefa para o  pai e o empresário mas fugia sistematicamente.

Enfim, quero terminar dizendo:

- Que o inferno receba Red West com toda pompa que ele merece. E,  que ele fique no departamento próprio dos traidores dos amigos e que não são poucos.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Os predadores

- Umidade terrível na orla do Oceano Atlântico. A maresia come até vidro.
                                   

O Oceano Atlântico solta suas gotículas nos ares e elas chegaram até aqui. O morrículo  onde moro é resultado de milhares, talvez milhões de anos de sedimentação de poeira de terra e areia, vindas de longe. Isso não é absurdo quando sabemos que a areia do Deserto do Saara chega até a Itália. 

A prefeitura recusa-se a calçar minha rua, que não tem cem metros e começa em uma falésia invadida por um pessoal do Paraná. Inclusive, levantaram um muro, fechando o acesso ao fim da rua que é um barranco, a falésia propriamente dita.
Quando construímos essa casa onde habito, eu tinha a visão do mar à minha esquerda e hoje só vejo o muro de três metros pintado de vermelho. Suas construções foram embargadas pela prefeitura, somente este mês, talvez por pressão dos turistas e moradores que só vem passar os feriados quando devia ser, também, pelo Serviço de Patrimônio da União.

Eu nunca fiz nenhuma denúncia. Quando a fizeram a primeira vez o morador veio aqui em casa e disse que eu não valia nada por ser mineira, porque mineiro quer tudo dentro dos conformes, achando-se melhor que o resto dos brasileiros ( ?! ). Veio aos berros. Esperei que se calasse para dizer que não mando recado, que se fosse eu lhe diria e que não fiz denúncia dele porque já perdi meu fôlego, sou uma onça que perdeu as garras porque se fosse nos bons tempos haveria de buscar a aplicação da lei. Que há muito perdi a esperança de o brasileiro ter amor a sua terra, defendê-la de predadores como ele. Que eu era mineira que ajudou a construir o ES e não veio usurpar como ele. Fiz um discurso, procurando palavras difíceis, como tática de guerrilha verbal,  para ele ficar calado porque não estaria entendendo metade. 

A placa de embargo da construção foi, afinal, colocada. Disseram que, com essa chuva, desmoronou um pedaço da construção que ele fez, coisa de ignorante sem noção alguma de engenharia, achando que fazer muro de arrimo e construção em cima, como ele vê nos filmes, é subir parede sem nenhuma técnica ou conhecimento. Mal sabe que na época dos egípcios já havia técnica de empilhar pedra para não desmoronar.

Caramba! Como é difícil enfrentar esses espertinhos!

De butuca

                                   
- Tudo nessa vida passa.
      

Os blogues hoje só valem para quem tem padrinho e quer ganhar dinheiro. Se for de futilidades como moda, maquiagem, unhas pintadas para quem não faz nada na vida, sapatos exóticos, ganha destaques nos grandes portais. Não sei se é matéria paga ou se exigem que seus executores sejam jornalistas. Talvez sejam financiados pelos produtos que divulgam porque ninguém faz propaganda para empresário ficar rico sem cobrar. É a profissão blogueiro.
Eu ando um pouco sem animação porque  a sensação de perda de objetivos  e pouco resultado do que se pensa ou faz tem efeito. Em um país onde a inciativa privada é punida com cargas tributárias, desprezo de toda sorte, sobreviver é mais do que deixar o nariz de fora d'água. E, escrever é uma iniciativa privada onde investidores só entram para descontar imposto e, no Brasil, correr atrás de vendas.

Nas páginas de opinião, a maioria é escrita por homens. Muitas delas radicais, obsoletas e com opinião rastreada em onda de outras várias páginas. As mulheres continuam pensando com o disfarce feminino mas não representam o pensamento da mulher.

" Algumas expressam a voz da mulher, outras simulam. Não possuem uma linguagem feminina e falam pelas mulheres como se fossem a parte feminina do homem" *

Nessa minha página, não sei o que eu fiz ao mudar o templat que saiu da divulgação e não sei como fazer para voltar a ter meus leitores. Como consequência, perdi o fôlego. Vou recuperá-lo com certeza.

* : Citação do meu livro Mulheres em suas evidências.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Nosso clima nossa vida

                                      

E especialmente nesta época do ano que é percebido como os humanos invadiram lugares que não devia. Durante séculos a pretensão religiosa dava como rei da criação o Homem. A ponto de esquecer que o os humanos também são animais.. 
Por ser o Rei d Criação tinha o direito de tomar posse da Terra e dela fazer o que bem lhe aprouvesse. Até que passou dos limites porque não é verdade.
A arrogância, então, passou para os pseudos cientistas que afirmam de boca cheia que a Terra vai acabar em virtude da ação humana. 
A prova, que não confere a afirmativa, é a Terra continuar  sua trajetória sem tomar conhecimento dos arrogantes, isto é, esqueceram de avisar para o Sol e o  sistema do qual nosso planeta faz parte. 

Tem gente que vive dessa teoria do fim do mundo. E dela emana poder. Os Maias que o digam. Os idiotas dos EUA também.
Sentados na sapiência de grupelhos estadunidenses, auto titulados ambientalistas, a humanidade vem sendo manipulada por essa gente. Ai de quem discorde. Tem gente ficando rica com essa ladainha ecológica. A Noruega, por exemplo, metida a ser um país culto e desenvolvido, acima do bem e do mal, longe das mazelas terráqueas, chegou a criar um fundo para financiar lesões ecológicas havidas em vários cantos do mundo.  
A Zoropa, continente predador por natureza, onde seus habitantes acostumaram-se a explorar o resto do mundo para manter seus palácios ridículos, de mau gosto e estilo de vida, ditam para o universo suas teorias. Mas quebram a cara porque a natureza continua impassível e não obedecem os calendários que lhe é imposto com critérios humanos.

Por aqui a natureza não mudou nada desde que me entendo por gente. Os períodos de seca, de chuva, de calor ou frio continuam acontecendo como sempre aconteceram em seus vários ciclos periódicos. O ser humano vive onde não devia viver em invasão indevida do lugar. Mas a Terra nem tomou conhecimento e continua a mesma.

Aos autoritários de plantão, que agridem governantes que seguem outras vertentes e recusam-se a financiar esses espertalhões, façam o favor de aceitar que não são nada mas meros achistas de plantão.Tanto como eu e com os nossos mesmos valores. Só que eu não ganho nada.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Passo de cágado

Cágado
                           

Ah! Não quero falar mal do Judiciário, dos absurdos que ocorrem, a falta de funcionários que acarretam lentidão.
Os que trabalham, com déficit de pessoal, não podem fazer das tripas coração para suprir a incompetência da administração. A verba  do judiciário dá preferência para o pagamento dos altos salários dos deuses do Olímpo e não sobra sequer para atendente de balcão.

E os feriados? E as paralisações? E os erros absurdos de Cartório, na burocracia sem fim, papel e mais papel, que fazem o processo andar prá lá e prá cá e acaba no mesmo lugar. Eu li em um comentário por aí na net, que  em uma ação de cobrança, havia um ano sem que tivesse sido feita a citação. Outra Ação de suprimento de consentimento, tinha seis meses sem citação. No corredor do Forum eu vi um pai chorando porque tinha quatro anos que não via seu filho e não havia nenhuma decisão do juiz para impedir essa aberração promovida pela genitora. Tem página no Face para protestar porque os juízes não decidem pela guarda compartilhada. Ouvi um advogado desesperado porque em uma Ação de Despejo por falta de pagamento ele não conseguia que o juiz prolatasse sentença há cinco meses.

Tudo isso é prejuízo para o desenvolvimento do país, é dinheiro, negócios não feitos, paralisados esperando a letargia, a madorneira ser sacudida. É gente insatisfeita e sem esperança, deixando de impulsionar o desenvolvimento, a segurança social. Eu acho que o sistema não tem nenhum senso disso.  Dão de ombros, não é com eles. Os altos salários estão garantidos no fim do mês, que se lasque o mundo.
O que acontece nas altas cortes, às escâncaras é apenas a ponta do iceberg. 

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Não é confidencial

                                                       

Publico especialmente pela segunda parte porque a primeira não é da minha conta.
Mesmo eu sendo abelhuda, não me meto em seara alheia, não tenho pena de doentes, aleijados, abandonados ou nóias. Não choro por desastres e tragédias porque Alexandre Magno, César e Napoleão Bonaparte, entre outros tantos  mataram milhões de homens, submeteram ao sofrimento outros tantos e hoje são figuras lendárias cantadas em prosa, versos, estátuas e filmes.

Como militante feminista que fui, atrás do meu caminho porque impedida de viver minha profissão como muitas mulheres, resolvi participar da Queda da Bastilha. Aliás fui impelida para não morrer na vida. Fui chamada de todos os nomes que costumam chamar uma mulher pelos misóginos de plantão. É que nunca fui mulher feia, sapatão ou mal amada. 
Fui atacada na rua por gente que se achava no direito de discordar mas, na verdade, querendo impedir o curso da história. Nunca chegaram perto do meu ego bem resolvido porque está no meu DNA, na minha natureza. Fui criada por um homem de uma família de oito irmãos e mãe chamada de Sargento.
Quando reclamei com papai que no meu trabalho, onde eu era a chefe, estavam me chamando de General ele disse que não entendia porque eu reclamava pois vovó Umbelina era chamada de Sargento e  eu havia sido promovida.

Escrevi um livro, nos anos 80, nada a ver com literatura, sobre o que essa mulher fala em sua exposição e mais ainda pois ela só fala na parte física. Da edição sobraram vinte livros. Uns dez eu doei para bibliotecas públicas e um dos leitores telefonou para me parabenizar. Livro debatido em três escolas de terceiro grau.

Participei da história e tenho orgulho disso porque não fiquei lamentando, colocando defeito nos outros como a maioria faz. 
Fiz a minha parte e se alguém lembra ou sabe, se esqueceram ou não, eu não me importo porque eu sei.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Vergonha !

                       

A classe política pensa que pode pairar sobre a nação como se fosse a parte dela. Vê tudo dissociado , como se espectador fosse.

Então, temos a  definição de esquizofrenia:

É um distúrbio mental caracterizado por comportamento social fora do normal e incapacidade de distinguir o que é ou não real.

Sintomas: 

Entre os sintomas mais comuns estão delíriospensamento confuso ou pouco claro, alucinações auditivas, diminuição da interação social e da expressão de emoções.


O presidente da República Federativa do Brasil está sendo processado por Corrupção passiva.

Alguém  sofre de esquizofrenia e não é o povo brasileiro. Embora pesquisas apresentadas pela mídia mostrem que o Velhaco mais velhaco que esse país produziu estaria no topo das preferências para ganhar uma eleição para o cargo que ele desmoralizou.

Eu não verei esse país sair do atoleiro moral a que foi mergulhado. Para limpar a vergonha vai ter que morrer essa leva de corruptos que assola a Lava Jato. Dá até engulhos...

Vergonha é pouco: KLIKA

De gênio



Imitação de um já é demais mas de tantos e tão bem é  para quem tem talento.
A abordagem que ele fez de Elvis é fantástica. Tem conhecimento e humor refinado.
O chapéu de palha está hilário.

Quero mostrar para quem passa por aqui e que gosta de rir...

A redoma

                            

Passei a fazer caminhada na rua em vez da esteira. Cansei de esteira.
Todos os dias acontece uma coisa na rua. Nas vésperas dos feriados, dois grupos de bandidos da cidade do Rio de Janeiro, que vieram dar golpes aqui, deram de cara e entraram em confronto, com tiroteio e tudo. Passei na hora exata. Os caras fugiram a pé mas foram pegos. Apareceu até a ROTAM com homens de dois metros, roupas, armas e carro parecendo que estavam indo para a Guerra do Iraque. Eu lamentei não estar com meu celular para tirar uma foto dos bonitões de barba em ponta, parecendo tudo gêmeo. Apareceram como vermes de goiaba, de repente e todos iguais.

Hoje, quando parei, esperando em um sinal lá embaixo na rua paralela a minha, ouvi um barulho e olhei concomitantemente  e vi uma moça, ciclista, ser atropelada por um carro. Rodopiou e caiu inerte. Ninguém se mexeu. Fui obrigada a sair correndo e socorrê-la. Parecia morta. Branca e inerte. Mas vi que era resultado da adrenalina. Aparentemente não tinha nada. Passei a mão na testa dela, pedi calma e que não se mexesse. Tirei a toalha e a blusa da academia da minha sacola e coloquei debaixo da cabeça dela. Pouco a pouco a cor  foi voltando. Pedi para ela não se levantar e telefonei para o 192. Aí começaram as histórias.

Poucas pessoas mas o bastante para o senhor idoso do carro fazer seu discurso que a moça estava errada. Logo chegou um sujeito ( e agora me vem a cabeça que deve ser parente do senhor), aos gritos, muito bravo e pegando a moça caída, pelo braço, mandando-a levantar-se;

- Levanta isso não é novela, está fazendo novela. ISSO NÃO É NOVEEELAAA!

Abaixei e disse para ela ficar quieta que o socorro já vinha. Ela disse, vou levantar, vou embora. Mas estava tremendo muito e com dor de cabeça. Podia ser adrenalina mas o povo paga imposto para ter o socorro do SAMU. A pressão masculina aumentou.
Eu agachei e disse para não se mexer até o SAMU chegar. Logo uns cinco homens rodearam e começaram a gritar, levanta, levanta, mulher gosta de novela. E o cara me pegou pelo braço enquanto sacudiu o dedo na minha cara, gritando ela vai sair daqui, isso é novela.
Caramba,  comprou briga com a pessoa errada. Eu ando mansa demais, fico eternamente na minha em um exercício diário pra não me meter em nada. Mas, como ninguém acudiu a moça e fui obrigada a tomar a frente, aí não há recuo. 
Levantei o tom de voz e disse para o sujeito, que estava comigo na pressão, quase cara a cara, que a moça ia ficar deitada, esperar socorro e que ele não tocasse em nenhuma de nós duas. Isso sem a mínima educação ou compostura que o sistema exige de uma mulher. 
Ele levou um susto com a minha reação e recuou. A moça pediu para ajudar ela levantar, estava constrangida com o ataque do cara comigo. Mas eu disse: - Você fica. Não se importe com nada. Deixe comigo. O cara ainda insistiu dizendo aos berros, ela vai sair daqui, levanta, levanta, chega de novela,  mas quando eu o encarei firme e disse ela fica, ele desistiu.
Neste momento chega um motoqueiro, coloca a moto protegendo a moça do fluxo do trânsito, atravessada na pista, tira o capacete e me pergunta o que estava acontecendo. Um homem jovem, alto e forte. Resumi rápido e disse que o cara estava fazendo pressão para ela levantar. Ele abaixou e disse com a voz muito doce para ela se acalmar, para ela não se mexer, que tudo ia ficar bem, para ela fechar os olhos.

Podem não acreditar mas a chegada do motoqueiro foi o bastante para acalmar a turba de uns dez homens que tinha feito um círculo em volta de nós duas. Eu disse ao motoqueiro para ficar porque ninguém respeita mulher e a simples presença dele fez os pessoal recuar. E ele ficou.

Então um homem pequeno, pobrinho e simples veio e me disse muito educado para eu guardar a bicicleta da moça no prédio em frente do ocorrido. Eu disse para ele guardar mas ele disse : Não, eu não, você. Percebi imediatamente que ele estava com receio de ser confundido com uma ladrão. Que horror ! Então eu disse a ele para ficar no meu lugar, não deixar a moça levantar, disse a moça que ia guardar a bicicleta e a levei para o prédio, depois que a porteira abriu a porta e permitiu. Bicicleta novinha, pneu cabeludo, e intacta.

Alguém me entregou os óculos azuis e o celular da acidentada e eu perguntei se ela queria telefonar para alguém. Ela telefonou para um amiga que veio imediatamente, em  cinco minutos.

Tudo demorou vinte minutos, meia hora. O SAMU apareceu, assumiu e colocou a vítima na prancha. Então eu peguei minha toalha e camisa da academia, dei meu telefone para a amiga, desejei felicidades e tomei meu caminho.

Na verdade vivo em uma redoma longe do machismo horroroso dos ignorantes, da incapacidade de certos indivíduos acharem que uma mulher não sabe ou não merece ser respeitada. Uma redoma que me mantém longe desses imbecis que se julgam no direito de passar dos limites certos, que uma mulher não é capaz de defender seus direitos. Se eu não estivesse ali, coitada da moça porque todas as mulheres recuaram, ficaram acuadas enquanto os homens pressionavam a mim e a moça caída no chão. E, só pararam quando apareceu o motoqueiro que  emparelhou comigo. Um dia eu saio no braço com um vagabundo desses.

Mais uma vez, faltei com meus propósitos. É da minha natureza ...

Fazenda de likes

                        
Eu li que blogue com menos de mil acessos é blogue que ninguém lê. Então, partindo desse princípio, escrevo o que quero, respeitando as regras do provedor porque assim me comprometi quando dei meu aceite.

Ninguém está interessado em ler na internet a não ser sobre crimes, tragédias e fofocas inclusive políticas. Por isso os sites, jornais e revistas dão privilégio a estes assuntos. Os cadernos de arte e textos de pensadores desapareceu do mapa intelectual.

Essas páginas bombadas com milhões de acessos e aprovações é tudo resultado de uma Fazenda de Celulares. Nem passa pela cabeça de gente comum uma coisa dessas mas a festa principal vem da China. Dez mil celulares, vinte mil ficam a mercê de funcionários que dão os likes nas páginas. Tudo pago pelo interessado.

Eu já vi blogueiros, na época em que haviam dezenas deles, afirmando que milhões de pessoas liam seus blogues, por dia. Hoje, é preciso que você declare que é uma pessoa  e não um robô para poder entrar em algumas páginas.

Duvida? KLIKA

domingo, 25 de junho de 2017

Instinto paterno do sagui estrela

                                       

Podem ser repetitivas as publicações sobre Chefe Boran e seu clã. Mas o faço porque não encontro nada igual na internet.
É comum encontrar programas com observações  de grandes primatas, grandes felinos, elefantes e animais peçonhentos. Cachorro e gatos tem aos montes. Mas os saguis, talvez por não estar em extinção, ficam esquecidos.

Ao sistema interessa mostrar os animais na figura da fêmea para criar um instinto materno. Então, em contrapartida, mostro para vocês que, entre os sagui, o instinto é paterno.

Então, para você que é curioso, que gosta de contemplar a natureza, deixo este filminho difícil de publicar no Youtube, talvez porque não vai trazer retorno nem grana.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Instinto materno uma ova

Borana
                          

Nesses quatro anos ou pouco menos, desde quando Chefe Boran apareceu com uma fêmea dentro da minha casa, venho observando o grupo e o nascimento dos filhotes.

No início, o casal comia do lixo, era magro, pelo mal feito, até que nasceram os  primeiros filhotes. Passavam pelo meu quintal e eu espantava-os porque a orientação dos oráculos na matéria é para não dar comida ; que eles se virem.
O ser humano é um idiota. Em vez de observar a natureza transfere sentimentos humanos para os animais. Óbvio que eles se viram ! E ao fazê-lo entram nas casas. Uúu!

Tenho descrito Chefe Boran porque ele é chefe na expressão da palavra e em todos os sentidos. A fêmea sempre ficou em segundo plano, no alto da amoreira. Afastava  os filhotes aos tapas, correndo para longe para poder comer sua parte da banana. Na minha avaliação de neófita  parecia que era brava e estúpida. Ela é um pouco maior e mais peluda, menos marcada na face.

Outro dia, quando ela veio comer e o filhote avançou no pedaço que era para ela e  antes que ela fugisse, eu o afastei com os dedos da mesma mão que pinçava o pedacinho da banana. Outro dia e outro. Um vez, duas vezes... Não sei dizer se era o mesmo filhote de cada vez. A partir daí, nenhum avança mais.
Provavelmente, por  amamentar os filhotes, estes mantém o hábito de pegar com ela a sua parte. Como ela tem dois filhotes por semestre, precisa defender-se dos filhos para sobreviver. E corre e os espalha  muito brava.
Releva ressaltar que ela não carrega os filhos e nem ensina nada. Quem faz isso é Chefe Boran que, depois, distrinbue as tarefas para os outros filhotes.

Pois bem, agora que os filhotes não avançam na parte dela, ela vem para perto de mim, não tem a cara brava e come tranquila sem correr. Primeiro dou para o Chefe porque senão ele dá um ronquinho de alerta e depois para ela. Depois vou revesando para cada um, até eles irem embora. Porque nenhum está ali a não ser pela comida. Nem sei se me reconhecem fora do meu quintal. É outra pesquisa que estou fazendo.

Consegui  fazer uma foto diferenciada dela, coisa que nunca consegui  a não ser de longe.

Minha intenção com este texto é deixar minhas observações pois não li nada a respeito.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

A palavra é um bumerangue

                      

Ontem resolvi sair dos temas que eu gosto em filmes, diversificar para conhecer outras vertentes, tomar conhecimento de outros atores e vi Corrida Mortal 2.

A direção é bizarra e a violência tão ridícula que não tem nada com a realidade. Seria  como reprodução ou pano de fundo  desses jogos do Nintendo.

O que chamou minha atenção foram diálogos, pregando racismo e discriminação de forma subliminar. E dito por um personagem branco, tipo ariano,violento, individualista e imortal.

Logo no início o personagem é convidado para participar do jogo, objeto do filme. Ao ser perguntado se sabia jogar futebol ele responde que não porque é jogo de país campeão do terceiro mundo. Mais na frente ele salva um asiático, talvez um chinês,  e diz que essa gente deve  ser tratada de forma a sempre dever algo para ser cobrado e retribuir. As mulheres são maliciosas, matreiras, violentas e manipuladoras. Ainda dizem uma frase : - Isso é coisa de blog que ninguém lê...

Que façam os filmes que queiram. O que percebo é que, quando sofrem ações terroristas de ódio ainda se espantam. O povo não participa da pregação divisionista mas paga o preço. Os naturais , os nacionais, o cidadão comum,  dos lugares onde os filmes, as televisões divulgam discurso de ódio, talvez nem saibam como funciona a coisa. Mas são eles a pagar o preço, muitas vezes com a própria morte.

No Brasil, onde macaquitos pupulam de galho em galho, o mesmo acontece com divisões ultrapassadas de esquerda e direita, dos diversos confrontos de ideias, filosofias e crenças. Copiam ataques pessoais  em revanche as suas pregações e por considerarem ser oráculos da nação. Chegou-se ao ponto de marcar um marginal com tatuagem na testa por tentar roubar uma bicicleta vagabunda e, com certeza, quem atacou sequer sabe  a origem de sua ação.

A mídia, as redes sociais, o cinema e todo meio de comunicação e propaganda já foi usado em outros tempos para controle e manipulação do populacho. Pesquisas mostram que Alexandre Magno, os persas e egípcios usaram essa tática.  Tudo bem, que o façam mas o tiro pode sair pela culatra. E quando isso acontece, os instrumentos e partícipes podem estar na mira direta. Que não reclamem.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Resumindo por alto

- Como se vêm e como são...
                                  
Os EUA saíram do acordo sobre o clima feito em Paris. Sem detalhes maiores, esse acordo impunha aos States a maior parte dos compromissos para adequar seu desenvolvimento a menor prejuízo com efeito no clima do planeta.

Desde a Segunda Guerra que a Europa vive explorando os cofres públicos dos EUA. Enquanto havia a Guerra Fria e para os países não caírem nas garras do comunismo, aquele país aguentou o rojão. No Brasil, Kennedy despejou dinheiro a fundo perdido para ver se o terceiro mundo avançava, saia do estado agrícola e de fornecedores de matéria prima para a industrialização e alfabetizava sua população.

Aqui ou nas zoropa, o preço pago pelos States com medo dos comunistas abriu a sua guarda para dentro dele mesmo. E, hoje colhe os resultados. Com a mesma agressividade exposta em qualquer lugar do mundo os comunistas atacam o governo que pretende estancar o sangue estadunidense, desde  que Trump foi eleito. 

Uma das guinadas de Trump foi estancar os bilhões anuais entregues aos países industrializados para que estes deixassem de poluir a atmosfera e contribuir com  pretensa mudança climática. Ora, cada ação contra a vida na Terra é responsabilidade de cada nação. Mas zoropeu, sempre esperto, resolveu levar vantagem mais uma vez e jogar com o também somado complexo de culpa judaico cristã dos EUA. Foi o momento de tirar  mais unzinho para sustentar seus eternos confortos como fazem desde o fim dos Templários.

Está mais do que o momento histórico da Europa caminhar sozinha sem explorar nenhuma região do planeta. Se os explorados se voltam contra, cobrando os  lucros  com juros e bombas,  que não envolvam a exploração e mantenham-se livres, fazendo jus à empáfia e ao resultado da exploração. 

Que cada país pague suas mazelas sem precisar receber grana alheia. Como qualquer compromisso assinado e cumprido.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Beleza brasileira


Desculpem mas vou publicar esse link porque gosto muito do que ele contém.
Eu gosto de ver cavalo correndo mas igual a este não vi nenhum no conjunto cavalo/ cavaleiro/ lugar.
Observar o animal dando impulso, suas orelhas, porte é maravilhoso para quem gosta de animais.

A música de fundo é com Eduardo Costa de nome Mangalarga Marchador

 Então KLIKA, vale a pena




Relax







                                                                   

Se deu cinco, recue

                                

Um governo que incentiva  a base da pirâmide da sociedade comprar e comprar a prazo, conspira a favor do capital.
Se o pobre contrai dívidas, pega dinheiro do rico a juros altos, não é verdade que haja divisão de riquezas. Pelo contrário, nada mais é do que concentração monetária de quem a detem e, no retorno, gera mais riqueza.

Por isso mesmo, ao chegar a hora de pagar o que pegou emprestado, a dívida foi maior do que podia arcar. E, a aparência de enriquecimento transforma - se em mera miragem na bandeira tremulada por irresponsáveis espertalhões.

Sessenta por cento do brasileiro está endividado e a Caixa Econômica vai fazer leilão oficial de milhares de imóveis fruto da inadimplência. Acreditaram na propaganda petralha para boi dormir. Pagam o preço do chute no traseiro ao voltar a estaca zero.

Quem idealizou essa política da mentira e da corrupção monetária, da imoralidade na desonra do psicopata político ? Quem foi o cérebro desse engodo ? Quem é essa gente que, mesmo quebrada e inadimplente, pretende ter no outro o responsável, que não ele mesmo?

De duas uma : Ou essa gente é muito burra ou falta informação. Se for a primeira opção não há saída mas se for a segunda ainda vale a educação forte, principalmente pela aritmética.

terça-feira, 13 de junho de 2017

O Bando

                                                                KLIKA para ouvir

Paródia da música A Banda de Chico Buarque de Holanda.
Dizem que quando ele ouviu ficou irritado e mandou todo mundo tomar naquele  lugar...