sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

A ponta do iceberg

                        
Uma forma de  pressão nos poderes constituídos e seus integrantes, aqueles que decidem, é usar os instrumentos  oferecidos pela internet. De uma forma ou de outra, sempre fazem coro aos protestos.

Quando eu pude, participei de formas de mudança e vi que  há repercussão. Nunca fui de passeatas e aglomerações porque  os infiltrados oferecem perigo , sendo comum descambar para a violência. Mas participei de movimentos populares e aguentei firme os ataques daqueles que estão de plantão para impedir o avanço da sociedade periférica ao dos poderosos. É aquela máxima de proteção ao status quo porque mudanças dão medo.

Em assim sendo, do alto da minha inutilidade atual, quero fazer coro as exigências pelo fim do Auxílio Moradia para juízes de direito de todos os níveis, representantes do Ministério Público ou que tais. Isso nos moldes a que é posto porque os em trânsito o merecem.

Não há dúvidas que o Brasil é pobre e atrasado porque a população sustenta benesses a essa chamada elite burra, que não tem o mínimo  espírito público ou vontade de construir uma nação.
Tanto eles como os filhos dessa gente estudam em escolas privadas, jamais andaram de transporte coletivo e passam férias fora do Brasil. Jamais misturam-se. No mínimo.
Eu vejo, por alguns riquinhos que eu conheço, que jamais participam de nada da comunidade. Até de reunião de condomínio. Preferem dar procuração para um candidato a síndico, sem tomar conhecimento do que precisa ser feito ou mudado.  A vida dessa gente é atrás dos muros ou paredes de suas residências. Vidros escuros nos carrões e cara torcida para quem passa.

O raciocínio é que aos medíocres , a lama, o buraco. Tem a convicção  do seu merecimento em ganhar fortunas  porque são inteligentes, conseguem cargos públicos porque estudaram, passaram em concurso público e trabalham demais. É o discurso do merecimento, do meritório. A meritocracia do fundo do umbigo.
Não passa na cabeça dessa gente que o poder é dado para distribuir para os menores, os menos dotados, os que nasceram sem inteligência medida por gráficos e testes. Não percebem que a vida exige pessoas, gentes, produtividade e capacidade para todas as ações sociais. Que a humanidade caminha com a parcela de contribuição de cada capacidade.

É o desprezo pelo ser humano com menos resultado para fazer testes e passar em provas cunhadas pelo sistema e medir inteligência formal. Como exemplo, eu vi acontecer na minha casa, do lado paterno. Meu pai era neto de formado em direito que foi delegado e juiz e filho de médico nos tempos em que a população brasileira tinha menos de seis por cento de alfabetizados. Todos seus oito irmão e ele próprio eram formados em direito, medicina, engenharia, odontologia. A duras penas pois com sete anos foram internos em escolas longe de casa e levados a cavalo ou trem de ferro. Só vinham para casa nas férias. Uma saga forte que rendeu orgulho, status social  e dinheiro.
Mas fico pensando se um deles não tivesse inteligência o bastante para chegar onde chegaram. Comparo com outros ramos da família e mesmo comigo, se algum deles não fossem afortunados com uma massa encefálica privilegiada ?
Talvez pelo esforço hercúleo em chegar onde chegaram torciam o nariz para qualquer pessoa com restrição de inteligência e que não ostentassem um diploma universitário. Inclusive parentes menos privilegiados no QI.

Então, entendo perfeitamente o que pensam e fazem essa massa de poderosos, ganhando rios de dinheiro e a forma como menosprezam o povo que fica a deriva de suas ações medíocres e personalíssimas.
Não passa pela cabeça dessa gente que existe uma muralha, uma barreira social intransponível que jamais será ultrapassada para que os de níveis  inferiores cheguem aos superiores.  Os poucos que passam é permitido apenas como cota de justificativa para sedimentar o estabelecido; um preto aqui, uma mulher ali, um aleijado cá, um favelado esforçado. E segue a banda.

O sistema de cotas é o retrato vivo de uma sociedade onde a hierarquia social é vigente e empedrada. As cotas são para a minoria e na minoria permitida: Trinta por cento de mulheres para candidatas a cargo político, vinte por cento de pretos nas universidades ...

Assim, essa classe que compõe de forma direta ou indireta o judiciário nacional é a representação máxima da forma como foi composto o país. São intocáveis por lei, recebem o que extrapola no índice de percebimentos porque são eles que decidem por eles mesmos. E mais, decidem por nós com tacão vil do estado brasileiro sobre  o povo que não possui inteligência e capacidade, a não ser  boiar no esgoto que essa gente defeca.

O Auxílio Moradia, distribuído à mão cheia, representa um dos galardões tirados do povo que trabalha como escravo porque merece, são incapazes de ter mais do que tem. Os senhores de terno e carro importado, portões fechados de seus palacetes, serviçais de uniforme e livro de ponto a descontar meia hora que seja de descanso, são os suseranos modernos. O país pode estar ajoelhado, pedindo esmolas mas o que é deles não falta. Nem que for preciso aumentar a carga tributária e a cobrança para viver ou ver menos do que eles mesmos.

Quem me acompanha sabe meus textos sobre o Poder Judiciário e Auxílio Moradia é apenas a ponta do iceberg.

Não acredita ? Pasme: KLIKA

Mas há esperança: KLIKA

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Não queremos estátuas de sal

                            

A ultima novidade é a defesa dos brasileiros que optaram em  mudar-se para os EUA e tornarem-se imigrantes.
Essa gente não vai somente em busca de nova vida como os imigrantes de outrora. Eles mudam-se porque não amam o Brasil e procuram uma nação pronta e acabada para usufruir das benesses.
Tudo bem. Cada um faz da sua vida o que lhe apetece. Meu pai, brasileiro da gema, sem nenhuma linhagem a ser vista desde os portugueses  que aqui chegaram no Século VI, transformados em bandeirantes  e climatizado com a pitada indígena, casou-se com minha mãe com pai italiano e mãe espanhola.
Quando eles se casaram meu avô Pedro já havia morrido. Papai dizia que precisava tê-lo conhecido, para elucidar um mistério importante. Saber o que o fez escolher o Brasil e não os EUA para imigrar. Que ele não teve escolha para onde viver mas Vovô Pedro sim. O mistério nunca foi elucidado.

Agora, com Trump no poder, os brasileiros e seus filhos ilegais estão querendo apoio dos que cá ficaram para não serem deportados. Como assim?!
Com a bagunça do Rio de Janeiro sendo divulgada como Brasil e a bandidagem paulista do PCC expandindo suas fronteiras, a horda de empregados de segunda classe dos EUA, os brasileiros que amam ser chamados de latinos, querem ajxchuda?

Essa gente, quando segura de estar em um país distante, casados com estadunidenses e cujos filhos nunca vieram ao Brasil ou falam português, atacam e atacavam os brasileiros, de longe, pelas redes sociais.
Um dos motivos pelos quais exclui minha conta do Facebook foi justamente esse. Perdia meu tempo, minha adrenalina, lendo horrores dessa corja sem pátria, transbrasileiros do caramba. Em vez de queimar suas caravelas, esquecer o português e criar seus filhos como cidadãos de outro país, destilam ódio. Tem a petulância de querer ensinar e destratar nossos costumes que já repudiaram fisicamente ao mudar para outro país. Talvez o mesmo ódio por sofrerem em discriminação por aquelas bandas. Pois eu, que não sou viajada, sofri discriminação em Memphis, quando lá fui em Graceland. Até hoje não acredito que uma atendente de restaurante, negra como o teclado do meu computador, fez-me desfeita e eu não entendi nada. Precisou do guia explicar-me que ela me ofendia por ser latina e recusava a atender-me. Foi preciso vir o gerente e colocar o meu pedido no bandejão. Porque lá  o serviço livre é inferior ao nosso e está no estágio da bandeja e do apontar o que quer para colocar no prato. Nem preço tem à vista. Cobram o que lhes dá na telha.
Eu fiquei furibunda pela desfeita que sofri mas o meu inglês sem vergonha não deu para dizer o que eu pensava. Disse-o em português e o pessoal do grupo  ria porque ela não estaria entendendo nada. Eu lhe disse, a final, que se fosse no Brasil chamaria a polícia porque ela feria a Lei do Consumidor e cometia racismo. Que sairia de camburão para aprender a respeitar o consumidor e o turista.
Minha irmã Consuelo, que foi psicóloga clínica, disse-me que os pretos são discriminados pelos brancos e descontam nos latinos. E eu com isso? Turista brasileira, deixando minhas merrecas e sustentando quem vive acoplado em cadáver de roqueiro morto há décadas, ainda se acha com mais moral? Tem cada uma !

O pior tipo de gente é aquele que não veste a carapuça da mediocridade e não percebe que o defeito está em si mesmo e não no outro. Ser grande ou pequeno não é questão de lugar mas de si mesmo. Que  carrão, mansão e roupa aos montes não compensam a ansiedade de comer muito e ficar gordo e infeliz por não conformar-se em viver a vida sem dar satisfações a ninguém. Porque o que mais tem é brasileiro gordo nos EUA. Para não falar dos naturais, andando de cadeiras de rodas por gordíssimos que são.

Que Trump cumpra o que o fez ser eleito e dê exemplo para o mundo todo: Cumprir promessa de campanha e pelo qual foi eleito. Por que uma nação não pode ser invadida e forçada a adaptar-se ao gosto de quem não aceitou o seu próprio país.
Nenhum brasileiro é refugiado e pode ser que busquem vida melhor mas quem vai a Roma precisa falar como os romanos e não olhar para trás onde foi derrotado. Inclusive respeitar as leis, mesmo que não respeitem nenhuma de onde vieram ou aleguem desconhecimento para locupletar-se.

E que por favor, senão por amor de Deus, nos deixem em paz. Quem olha para trás vira estátua de sal.

Ou imigrem para a Síria.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Espertos de todos os lados

                                           

Uma das coisas difíceis é continuar produzindo, qualquer coisa, quando o assunto e os fatos já passaram do ponto.

O presidente da república Michel Temer é uma figura que cansa, que esgota. Alçado ao poder por circunstância pútridas tal qual foi Itamar Franco, o camarada não tem o mesmo comportamento do mineiro. Quer ser protagonista emergido do esgoto de onde participou da fedentina do que ali paira e está. Fede daqui ...

O cidadão brasileiro que gosta de política, que acompanha o movimento da nuvem ( *), merece o mínimo de respeito. Michel Temer comporta-se como se tivesse sido eleito diretamente e não como um vice chamado para formar chapa em hegemonia absoluta do estado de SP. Pois que Dilma Roussef foi eleita por Lula e este é politico forjado na industrialização paulista.

A sede de poder beira a doença perigosa porque o cara não tem nenhuma aprovação ou ligação com o leitor mas comporta-se como se fosse eleito diretamente e almeja candidatar-se ao cargo nas próximas eleições.

Não bastasse um animador de auditório querer  disputar um cargo majoritário  porque tem tráfico entre políticos conhecidos, com convivência provada em selfies e cacife baseado em grande audiência. 

Eu não vou nessa conversa. Para mim, ele teve essa ideia para aparecer e promover-se dentro da emissora que o emprega e fazer valer a força da mídia entrelaçada como minhocas com a platinada. Não me esqueço que poucos meses ou até dias antes de começar essa lorota, li notícia que a esposa perderia seu programa e ele teria o seu diminuído e a caminho de ser cancelado.

Esse país está entregue a espertalhões de todos os naipes e o animador de auditório já provou que é espertíssimo. Isso, quando cercou sua casa de praia com intenção de fazer praia particular e foi barrado pela fiscalização pois é  algo inexistente no Brasil. Outra é quando criou empresa privada para gerenciar sua vida de executivo, junto com a esposa e comprou avião a jato com dinheiro público do BANDES, com dinheiro praticamente de graça em  sendo este com verbas para gerir o crescimento nacional.

Junto com Temer, são dois candidatos surgidos ainda no vácuo da ditadura que impediu reuniões e debates políticos com o AI 5. Pessoas que não estavam dispostas a enfrentar essa lama de chiqueiro, dos antigos, desapareceu nas lideranças possíveis. Os espetinhos, dos quais esses dois são representantes exponenciais, tomaram conta e expulsaram os bons, os verdadeiros lideres.

Espero que o eleitor esteja percebendo o nível odioso dessa gente.

* / Nota de rodapé: Magalhães Pinto, político mineiro, disse uma vez que política é como as nuvens, toda vez que você olha está diferente.

As várias faces da mesma música



Reclamam do nível das músicas brasileiras  atuais. Mas  a decadência é geral. E as do Brasil são consequência da vinda das músicas estrangeiras especialmente dos USA. Essa reclamação é generalizada pelo mundo.
É verdade que a música dos EUA é contagiante, revolucionaram a forma de comunicação possível e através da música e há de se aceitar a força do dólar e da capacidade de colonização da Roma contemporânea.
Não vou negar que eu escuto Jojo Todynho e seu sucesso com música oriunda das entranhas de onde ela vive. E, se abstrair do significado da letra,  há de aceitar que a voz dela é agradável e o ritmo contagiante. Mesmo porque quase cem por cento das músicas que ouvimos, estrangeiras, não temos a mínima ideia do que se trata na letra.


Entretanto, de toda coisa ruim que tem por aí, alguns grandes compositores e cantores podem fazer parelha e criar algo imortal para todos nós, independente do local em que vivem ou vivemos.

O cantor e compositor Gilbert Becoud, francês,  compôs  Je t'appartiens. Elvis ouviu e fez a versão que levou o nome de  Let it be me. ( Ou quem ele indicou para fazer a versão )
Ambas interpretações ou versões são absolutamente divinas. Depois, Gilbert Becaud gravou a versão de Elvis mas após a morte do Rei.
Elvis também fez uma versão para outra música de Gilbert Becaud Et mantenaint? Mas eu não gosto. Acho que não superou a do francês. Mas essa outra ficou superior porque o arranjo quase criou nova composição.

Se você gosta de pesquisas e comparar interpretações , no Youtube tem outras em inglês mas não superam a de Elvis. Elvis gravou em 1970 e parece que Gilbert Becaud em 1955.

O que o cérebro humano é capaz quando mostra a realidade e sensibilidade de cada um é que vale a pena viver.


                                           



                                                   

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

A maternidade como arma

                
Eu nunca entendi muito bem esse tipo de mulher ensandecida para ser mãe. Algumas, sabemos por notícias, submetem-se a horrores para parir um filho. Não admitem adotar uma criança  e criá-la. Justificam com o medo em adotar e ser surpreendidas por problemas lá na frente. Como se nossos filhos não nos dessem problemas.
Não é da minha conta se uma pessoa quer ter filhos ou não. O que quero levar em conta, aqui, é sobre um comentário que eu li no texto sobre a volta do frangueiro Júlio César para o Flamengo e a reação da esposa que ficou em Portugal.
O comentário foi novidade para mim e feito por um homem. Ele diz que algumas mulheres se casam para ter filhos e, portanto, não fazem questão de manter o casamento e a presença paterna. Descartam o pai mas lutam pela pensão porque precisam de dinheiro para criar os filhos e nada mais. O pai é descartável. Lembro-me de uma frase de Freud, dizendo que o pai é uma foto na parede.
No meu tempo de mocinha, as mulheres se casavam para sair de casa e do jugo paterno. Será verdade absoluta?

Eu tive uma cliente, Natália, que não tinha filhos e desconfiava, por A mais B, que era o marido. Então, ela me disse que iria passar uma semana no Rio de Janeiro e ter um  filho de algum cara, pinçado na praia. Lembro-me que ela disse que ia vestir um biquini bem sem vergonha ( ! ) e tinha tudo planejado. Assim fez, assim aconteceu. Por estes dias eu a encontrei na rua e o filho estava com ela. A cara da mãe, casado,  dois filhos, seus netos. O marido morreu de câncer no pulmão sem nunca ter fumado.

Quando vejo mulheres lutando em esportes ( ou assim considerados) com socos, pontapés e sangue escorrendo na cara e homens aplaudindo, penso que o desgringolar rua abaixo é uma escolha de quem quer ser jogado para o mero papel de provedor e, quem sabe reprodutor, para mulheres livres.

O amor materno havido por aqui é uma arma de dominação, usado pelas próprias mulheres. Mas tão velho como a civilização. Não acredita ? Então KLIKA


terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Sequelas da Alienação Parental

                      

Coisa triste é a Alienação Parental. Deixa rastros indeléveis no filho ou filha , alvos da disputa do autor do crime. Para castigar o ex, o alienador dá nó em pingo d'água.

No tempo em que não havia essa expressão, a mulher de um primo distante , cometeu Alienação Parental gravíssima contra sua filha, hoje adulta e mãe. Como resultado a filha é uma perdida no seu equilíbrio. Frequenta psicólogo há anos mas não tem resultado porque a profissional não conhece o histórico do resultado final.

Por esses dias, fiquei sabendo que a mãe, a alienadora, está com câncer no fígado e adjacências. Está em tratamento e começa a quimioterapia hoje.
O interessante é que não admite a filha, única, perto dela. Aos berros descarta ajuda mas telefona para Deus e o mundo para falar mal como se as pessoas fossem obrigadas a serem massacradas pela própria mãe.

Daniela sem saída, telefonou para mim para desabafar. Quando eu lhe disse que todos as seus destemperos na vida eram fruto de uma culpa introjetada por sua mãe ela quis justificativas. Ficou pasma quando eu lhe disse que o pai afastou-se porque a mãe fazia escândalos, aos berros, aos palavrões toda vez que ele aparecia na porta da escola ou do prédio onde moravam para vê-la. Que ele desistiu com o tempo. Ainda mais porque ela passou a ter o mesmo comportamento, incentivada pela mãe. O inferno mental ficou instalado em todos. Fez infelizes mas o pai, para sobreviver, caiu fora. História completamente diversa da contada pela mãe, óbvio.

Não sei se vocês leram a respeito do caso da acusação de uma das filhas de Wood Allen sobre um suposto abuso sofrido por ela. O irmão nega e as investigações levaram às provas de ser mentira. Ambos chegaram a conclusão que foi Alienação Parental de Mia Farrow por ódio ao ex marido. A atriz chegou a dizer que seu filho mais velho, tido com Wood Allen, seria de Frank Sinatra. Tudo sem medir as consequências do seu ódio em relação ao diretor novaiorquino.

Esses dois fatos, deram-me vontade de fazer um texto , embora ligeiro, sem profundidade alguma, para alertar a quem pretende cometer esse crime.
Eu, por exemplo, lutei bravamente, com pagamento momentâneo da minha saúde mental, contra a primeira mulher do meu filho mais novo. Ela jurou que ele nunca mais veria sua filha. Mas, infelizmente, encontrou a mim pela frente. Foi uma luta sem tréguas, com decisão judicial desobedecida, comigo e polícia na porta da casa, debaixo de um Sol inclemente para fazer cumprir decisão judicial. Uma ponta do iceberg. Eu, sozinha, contra uma família e um advogado de porta de cadeia, capaz de usar qualquer arma suja para vencer.
Se meu filho fosse pagar um advogado não seria menos de trinta mil reais pelo trabalho jurídico, físico e mental produzido para vencer a alienadora e suas tramas inacreditáveis.
Eu não criei filho sozinha, para jogá-lo às feras de mulher sem noção. Ainda mais que o erro foi meu. Como feminista, nunca falei mal de mulher para meus filhos e nem destaquei o quanto vagabunda uma delas pode ser. Despreparado, meu filho caiu na arapuca do tipo de mulher  que eu abomino. E, depois de fisgado, não adianta falar.
O resultado da luta para desfazer a Alienação Parental, com muitas petições e ações, colheita de provas trabalhadas  de forma perspicaz, disciplina e foco no cem por cento, é que minha neta é equilibrada, sem nenhum problema mental, esperta e feliz sem qualquer sequela.

Meu texto não é para lamúrias e nem para contar intimidades mas para alertar aos aficionados pela Guerra dos Sexos, e pelos de  ânimos da revanche, que a maior vingança está  em matutar formas de os filhos saírem ilesos de uma predadora do amor paterno. Um bom advogado, aguerrido, também conta pois  eu tive que assumir porque o advogado contratado era um banana sem ação e mesmo pagando não fazia nada. Tem que passar como trator sobre gente assim porque nenhuma loucura construída por uma mãe, sobre seus filhos e a título de vingança contra um pai, pode ser permitida.

Existe uma associação de pais em luta contra a alienação parental e eu leio os textos. Percebo que a raiva não deixa ver os melhores caminhos e que seria bom ter advogados especializados mas com ânimo forte para defender a criança mais do que o pai.
De toda forma, a melhor saída é o acordo, se conseguir chegar a bom termo e o ódio deixar.

domingo, 28 de janeiro de 2018

Preso comum

                      
O uso do cachimbo faz a boca ficar torta. Esse ditado popular pode ser aplicado de forma abstrata ao extremo.
Assim acontece comigo que vejo o mundo como advogada.       ( AQUI )         
Mas minha irmã Maria Inês tem uma visão diferente da minha porque vê o mundo como professora.

Um exemplo é a opinião sobre a transferência do bandido mor do RJ, ex governador corrupto, condenado a mais de cem anos. Até minha neta de dez anos, Rafaela, comentou comigo sobre o tempo de condenação, sua corrução  e como  ele deve ser mesmo um bandido perigoso.

Enquanto eu achei exagero da Polícia Federal colocar correntes nos tornozelos de Sérgio Cabral, na transferência do RJ para SC, minha irmã achou pouco.
Quando conversamos a respeito, ela, sempre calma e ponderada passou a fazer discurso sobre o merecimento dele ser tratado com rigor tal qual bandido perigoso. Um homem com autoridade para fazer um grande governo mas roubou tudo do estado, deixando professor com mais de um doutorado, recebendo sesta básica porque o pagamento dos salários estava atrasado quatro meses. Professor com capacidade para ministrar aulas em qualquer lugar do mundo, sofrendo humilhação por resultado de sua corrupção. Apoderar-se do dinheiro público para comer e beber o fino do fino. Fazer viagens a Paris, ir aos melhores e mais caros lugares, tudo com o que foi tirado do povo, levando o RJ ao caos, à falência, ao sofrimento. Para ela, governante que não respeita professor não merece perdão.
Preso no RJ, o camarada continuou a liderar para o mal, ameaçando carcereiros, exigindo tratamento diferenciado, abusando de outros presos com regalias como se estivesse na casa dele. Afrontou juiz e deve ter tirado onda com os policiais federais. Dizem que ele reclamou que as algemas estavam machucando. Ah, está pouco? Pois toma! E corrente nos tornozelos. Para baixar a crista, fazer o bandido cair na real.

Prometi a Maria Inês expor a ideia dela pois não concorda absolutamente comigo. Acha pouco fazer com Sergio Cabral o que fizeram com Beira Mar . Afinal, as ações do ex governador  mataram mais gente do que qualquer bandido nesse país.

Portanto, bonitões da Polícia Federal, existe quem os apoia !! De leve...

Criança chorona

- Yara.
Depois conto a origem do nome
                                       
Tenho dois filhos. Deus ouviu minhas preces e não pari mulheres. Danem-se os chatos, os politicamente corretos mas não quis ter filhas. Não por discriminar mas para não influenciar o meu modo de pensar e ver a vida como mulher. Nunca faltou quem cogitasse as possibilidades da minha sexualidade. Por eu ser independente e não pensar como mulhezinha. Não é mérito meu, ou defeito, mas porque fomos criadas, cinco irmãs, como homens por papai que tinha oito irmãos. Não sabia como seria ser mulher típica porque sua mãe era chamada de Sargento. Vovô era médico e viajava muito para atender os doentes em um tempo  em que a viagem era a cavalo e não havia nenhum médico na região. Pariu filhos quase ao chegar na cidade, vindo de outra. A rédea curta gerou homens livres, todos com cursos universitários e profissionais reconhecidos. Nos tempos em que o índice de alfabetizados era trinta por cento. Muito sacrifício, muita luta, muita perda, muita perseverança, vontade firme e disciplina para todos. E, ainda há quem ofenda, chamando de burguês e elitista porque não se mistura a gentalha.

Divaguei mas o que eu queria dizer é que meus filhos não eram chorões. Talvez porque não havia parentada para visitar ou receber e minha casa era somente nós. A alimentação tinha hora certa, era na mamadeira, na quantidade certa, ficavam no berço com brinquedos dependurados ou na rede  ou no bebé conforto. Colo, só para arrotar. Tanto meu marido e eu não éramos de Vitória/ES e não havia muita gente ao nosso redor a não ser do trabalho e capixaba não faz e não gosta de receber visitas. No verão, a roupa era uma camisetinha fresca, comprada nas Lojas Americanas, nada de roupas variadas. A fralda era de pano mas havia uma calça plástica que era uma tanga com isolamento da umidade. Talvez fosse mais fresca e confortável do que essas fraldas descartáveis de hoje.

Agora tenho uma neta chorona. Caramba! A mãe deixa Yara comigo toda tardinha, de 6 a 8 e meia da noite e a menina chora quase o tempo todo. Dorme um pouco, não tem gases, nem cólica e nem fome mas chora demais. Pode pegar no colo, embalar, cantar, brincar, levar para tomar uma fresca no quintal, nada resolve. Nos primeiros dias cheguei a entrar em pânico sem saber o que se passava até ir estudando seu comportamento. Eu me lembro do meu primo Guilherme, de parte da mamãe, filho da tia Dirte e Tio Asplênio que chorava horas enquanto  brincávamos no quintal, todos crianças correndo e jogando bola. Ele sentava-se na escada que dava para o segundo andar e chorava de ficar com a cara vermelha pois era loiro. Hoje ele é médico, professor da UFMG e, interessante, pediatra.

Procurando sobre o tema na internet, encontrei mães desesperadas com seus filhos chorões. Isso ! Quanto mais vivo mais aprendo.

Vou deixar registrado esse fato porque pretendo deixar ela chorar . Vamos ver no que vai dar. Se quer chorar, que chore.

O herói do futuro

                                               
- Vira-latas, na moita... Só !
Vejam como os tempos mudam...
Há poucas décadas quem economizava, reciclava objetos, trocava itens usados, apagava a luz, aproveitava papel de embalagem, fechava a torneira ou juntava roupa para lavar de uma vez só era achincalhado e chamado de pão-duro.
Um canal de televisão, certa feita, fez uma reportagem, mostrando a diferença entre uma lixo de rico e outro de pobre. Tudo  para mostrar como o lixo do abastado tinha muitos itens como  garrafas, isopores, sacos de plástico, tudo junto com  frutas e comida.

As construções civis tinham , sempre, um murundu de restos de tijolos, raspas de cimento, madeira em pedaços, colocados no passeio em frente à obra. Faziam e depois refaziam. Quando meu pai fez nossa casa no Sion /BH ele não admitia isso, ficava bravo, exigia atenção para não haver perda de nada. Com oitenta anos, sismou de fazer uma casa na Pampulha porque no Sion o barulho não o deixava dormir. O engenheiro da obra abandonou o serviço porque tinha a mania de refazer tudo e quando chegou no piso papai perdeu a paciência.

As pessoas viajavam para os EUA e voltavam dizendo que por lá o pessoal não reciclava nada e os imigrantes, os pobres montavam suas casas, pegando lixo nas ruas. Inclusive os brasileiros. Tudo com tom de deboche, como fazem hoje. Mudam as espinhas dorsais mas não a envergadura.

Então, com a China dizendo que não vai mais ser o lixão do mundo, portanto não vão comprar milhares de containers  com restos de plástico, papel e roupa o mundo rico entrou em pânico. Como  farão e com a sua indiferença em sujar a terra, o ar e o espaço?

Para gáudio dos bestuntos, prontos para cantar em prosa e verso a contenção de usos e costumes, os industrializados começam a produzir textos e exemplos para a poupança, a reciclagem, o aproveitar o máximo de coisas e objetos.

O pão duro ainda será herói da humanidade.

Duvida? Então KLIKA 



sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

O beija mão

- Os grilhões que nos forjaram
                           

Velhaco sempre velhaco. Ele não dá ponto sem nó mas nó em pingo d'água.
O camarada ajustou advogado na Inglaterra. Um cidadão inglês que é conselheiro da rainha. Caramba! Só isso lhe dá o ego inflado de status diferenciado dos vira latas nacionais.

Alguns teem a convicção que os advogados do Velhaco são da extrema direita, justificando a defesa canhestra e, até, contrária ao direito e praxe forense. Querem-no na cadeia e disfarçam a preço milionário.
Mas percebe-se que a coisa é pior. O Velhaco contratou um advogado inglês para monitorar o  Judiciário, o desempenho do sistema e as leis do Brasil. 
Assim, esteve no país para acompanhar in loco o julgamento no Tribunal Regional Federal no RS. E, com pose e tudo. Vestido com o uniforme de intelectual inglês, pronto para sair bem na foto, como terno azulado, camisa azul e arrogância dos chics da zoropa.
Sem saber uma palavra em português e apenas as letras frias das leis e por informação, deu entrevistas desancando tudo e todos. Para ele, como bom inglês e conselheiro da rainha, somos um país de bugres ignorantes, ainda  primitivos colonizados por Portugal que copiou as leis da Espanha nos idos da Idade Média. E, nós vamos de roldão na estupidez geral.

O cara, nacional  de um país onde é súdito de uma família real, mantida apenas para ser fonte de renda do turismo. Um bando de inúteis para o mundo e a civilização mas referência para manter de pé um povo que vive as custas de uma de suas ex colônias.
O sistema judiciário eu não conheço mas sei que não tem nada a ver com o nosso e que os partícipes de um julgamento usam uma toga cheia de babados e um boné na cabeça, geralmente amarfanhado e sujo , a título de peruca, semelhante as dos tempos da Rainha Elizabeth ou Isabel.
Aliás, essa toga sem explicação é semelhante as do mundo todo e deveria ser abolida no Brasil porque não tem nenhum significado a não ser os mesmos do espartilho feminino.
Mas reclama que o cafezinho é servido na xícara para juízes e promotores e no copo de plástico para os advogados !!!!!!!!!!!!!!!

O que importa nisso tudo é que deu para saber a origem do discurso da defesa do Velhaco, isto é, falar mal da justiça e dos juízes. Difícil seguir um inglês, oriundo de um povo que não se conforma por não ter conseguido entrar no Brasil para explorar como fez na Argentina, não conseguiu fazer das terras brasileiras sua fazenda de sobrevivência como fez com outros tantos países da América, foram expulsos a flechadas da tentativa de invasão . E, por último, não se conformam com a caneta que tomaram de D. João VI quando veio escoltado, fugindo de Napoleão Bonaparte. O ranço e o ódio é bem inglês que não cai da pose.
Deve ser por isso, também, que as ofensas ao Brasil trouxeram de roldão Portugal, todos primitivos para a empáfia no beija-mão petralha.

Parece que o Velhaco se deu mal dessa vez. Subiu na vida, copiando os discursos dos intelectuais da USP e se deu bem. Vemos que aqueles são bem melhores do que o intelectual inglês. Dessa vez, tudo tem dado errado.


Para seu deleite ?  KLIKA

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

A vomitada da semana

Nos tempos da militância 
                                       
Eu  fui militante feminista. E forte, com prestígio. Meu grupo convivia com as lideranças político partidárias com naturalidade. Conheci os petralhas e os comunistas. Conheci Lula, fingindo que tomava refrigerante mas era rabo de galo. Convivi com essa gente falando uma coisa e fazendo outra.
De certa feita, em uma passeata no Dia Internacional da Mulher, essa gente, liderando mulheres simples e confiantes, incitou o enfrentamento delas com a polícia militar e houve confronto. Eu não estava lá porque não participei e nem participo de manifestação de rua. Tenho medo de multidões e do que podem ser usadas por infiltrados preparados e firmados com a baderna porque essa gente faz reunião e trama tudo. Eu também fazia reunião. Nada é espontâneo.

Nessa escaramuça com a PM/ES - eu morava na ocasião em Vitória/ES - o pessoal do meu grupo e que levou  paulada, pediu reunião para saber  exatamente o que havia acontecido. Eu fui porque era presidente do meu grupo. As publicações na imprensa eram contraditórias e o pessoal queria que eu fosse em um programa de debates que iria falar no assunto.
Resumindo, o pessoal petralha disse que não interessavam os fatos mas a versão dos fatos. Que deveria ser dito o que a maioria queria que era contra o governo e drama na briga com a polícia. Meu grupo, absolutamente apartidário, não concordou e eu não me manifestei quando fui procurada. Porque tem isso, decidido pela maioria quem atreve-se a discordar sofre pressão. Meu grupo preferiu ficar de fora pois só foram as desavisadas.

Eu relato isso, para mostrar como funciona a cabeça dos petralhas e como manipulam a opinião pública e seus seguidores ingênuos, sem participação efetiva nas reuniões e decisões.

Um dos indivíduos mais velhacos que eu tive o desprazer de conhecer na minha vida é Luiz Inácio Lula da Silva. Para mim é de alta periculosidade porque não é um homem sério mas um mentiroso. Talvez seja, na minha ótica de vida, um psicopata social. Para atingir suas metas e alimentar seu ego e vaidades é capaz de tudo. Pelo simples prazer de ver sua manipulação ser correspondida, cercado de gente que lhe presta vênia. Ainda mais se for um intelectual, seus olhos brilham e seu sorriso de velhaco aparece na cara. Não sei como pode uma pessoa inteligente, lida, com cursos e convivência do mundo, deixar-se  levar por um cara que repete catecismo decorado, sempre levando vantagem. Deixar-se liderar de olhos fechados. Não pode ser porque defende os fracos e oprimidos mas por algum motivo, para mim, desconhecido. Ouso dizer que, essa elite intelectual que dá guarida a esse homem, o usa como instrumento de tomada de poder. Como nenhum deles tem capacidade de arregimentar mais do que meia dúzia de bestuntos, usam o Velhaco para isso. E, ele sabe disso. Talvez exista um pacto informal, pairando no ar, entre todos eles. E o Velhaco cobra o preço em dinheiro, em favores, em poder, no tráfico de influência.

A última vez que vi o Velhaco foi na porta do forum de Vitória, nas escadas de entrada do prédio. Décadas atrás. Ele esperava para ser testemunha em uma ação criminal cujo indiciado estava sendo processado por calúnia, injúria e difamação, um dos vários processos sofridos por um sujeito mais abjeto do planeta. Veio de São Paulo. Quando passei por ele, não sei se me reconheceu ou faz isso com todos, mas dirigiu-se a mim. Passei direto  mas olhei na cara dele. Seu olhar para mim foi de ódio. Talvez porque para ele os fatos não estavam valendo a realidade.

Hoje, sabendo tanta coisa que eu sei desse povo, prefiro poupar-me para não ficar doente. Não escuto sequer as lamentações dos meus amigos decepcionados,
Que se lixem ! E, que a justiça brasileira aplique a lei sem dó como faz com as pessoas comuns, muitas vezes julgadas com displicência.

Detalhe?  KLIKA

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Ambição dos bonitões da PF

                     
O cara é bandido, bandidaço, arrogante, sem noção, praticamente um psicopata social. Eu me lembro bem do seu pai, dando parecer sobre a música carioca, regional mas com pretensão de ser nacional, com a arrogância dos oráculos. Com certeza não fez mal a ninguém, pelo contrário contribuiu para a história da música. Mas o cerce da arrogância, ele passou para o filho junto com o nome.

Se Sérgio Cabral, pai, era líder, o Sérgio Cabral, filho, também. Mas por qualquer obra do destino , o DNA do filho ficou direcionado para a pilhagem do dinheiro público e sem nenhum pejo. Onde errou o pai quando educou o filho para a certeza da falta de limites na liderança de uns e outros?

O filho chegou a ser governador do Rio de Janeiro, o segundo estado em poderio econômico, mas roubou tanto e tanto, junto com sua quadrilha, que conseguiu tirar tudo dos cofres públicos e falir o estado. Na maior cara dura, cheio de razões, negando e fazendo-se de vítima. Preso e condenado, o ladrão do dinheiro do povo, ainda continua a exercer sua influência nas cadeias. Provavelmente, exigindo retribuição por algum ato de governo onde algum cidadão deve-lhe supostos favores e tem medo de perder alguma coisa se não o atender. Ou por impulso de liderança que não consegue reconhecer seus erros.

Pensar que esse pulha pretendeu ser presidente da república junto com outros de pior espécie e que mais eisxpertos, fazem o que em política denomina-se MERGULHAR.

Mas, com tudo isso, Sérgio Cabral não é um Fernandinho Beira Mar, que precisa ter correntes nos tornozelos quando transferido de uma cadeia federal para outra. O perigo de um confronto armado de bandidos, tentando resgatar o chefe ou uma fuga pelos corredores e pátios com tiroteios e debandadas é inexistente.

Ah, esqueci que o sonho dos bonitões da PF é ter poder de autonomia, semelhantes ao FBI dos USA. Agora aparecem com máscaras e bíceps escondidos, mas a ambição de poder continua igual ao mostrado pelos filmes de Hollywood. Poderiam começar a ver filmes do tipo A verdade nua e crua porque nos poupariam do abuso de poder mesmo quando o conduzido é criminoso do qual estremessem de raiva, tanto qualquer cidadão carioca, só de chegar perto.

Menos garotões da PF, menos...

Atualização? KLIKA

Os ninjas do Brasil

- Os ninjas não existem mais. Só no cinema.
                                 

Paixões políticas à parte, não tem razão o Judiciário em barrar a Ministra do Trabalho indicada pelo presidente da república.
Como advogada, não posso aceitar que um cidadão  seja impedido de recorrer ao judiciário para dirimir um conflito. 
No caso específico, consta que a indicada, Cristiane Brasil, tem duas ações trabalhistas na Justiça do trabalho e cujas sentenças seriam  desfavoráveis a ela.
Ora, se um empregado e um trabalhador discordam sobre os direitos de uma rescisão contratual de trabalho, o local para discutir a questão é a Justiça do Trabalho. E, não sabemos a quantas andaram as diferenças de cálculos de um e de outro. 

Também, é competência exclusiva do mandatário do Poder Executivo, indicar seus ministros que só podem ser barrados, em tese, se estiverem impedidos por lei, uma condenação tipo Ficha Limpa.

Tem razão o planalto em dizer que o Judiciário está extrapolando suas funções, imiscuindo em outro poder sem ter competência.

Com a idade que eu tenho, já vi prevalecer nos noticiários, os economistas e o Ministro  da Economia, sempre com paciência de Jó para explicar mil vezes a mesma coisa para jornalista a procura de serviço. Já vi Ministro das Minas e Energia com a cara sonolenta na mesma situação. Agora são os  juízes e ministros do Supremo Tribunal Federal a exibir suas caras amarradas e arrogantes de oráculos da nação. 

Em uma análise interessante, um texto na mídia, expunha as razões do embate que impedem a mulher de tomar posse na pasta do trabalho. Seriam os interesses políticos para barrar a reforma da Previdência.

Enquanto isso, os processos  de interesse individuais ou coletivos andam a passo de cágado na Justiça nacional. Mas o povo tem a impressão que tudo vai bem e que seus direitos estão assegurados.

O verbo trabalhar tem vários significados...

Uma pitada? KLIKA

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Os eixpertos da vez

Manacá do jardim interno da minha casa. Estão sentindo o perfume?
                                  


Procuro não falar mal do Brasil como nação. Estudei em escola publica e meus professores diziam que, quando você fala mal da sua escola, fala mal de si mesmo. O mesmo pode ser aplicado ao cidadão que fala mal do seu país. Mesmo porque o Brasil é um continente com mais de cinco mil municípios e uma população de mais de duzentos milhões de pessoas e nada pode ser generalizado.

O mal dessa Birosca é morar em uma cidade pequena, de um estado pequeno, como se fosse viver na imundice do Hell de Janeiro. Todo dia, ao procurar ler as notícias nos portais da internet só se encontram crimes, loucuras, bandalhas, imundices morais pessoais e coletivas de uma cidade que teve tudo para ser uma grande metrópole e tornou-se a latrina do país.

Uma fornalha do inferno com crimes coletivos e individuais, onde ninguém respeita nada  nem ninguém, uma Sodoma e Gomorra. 
Os mitômanos, os megalomaníacos, os imorais , malandros, esbirros corruptos, gentalha malandra e sem compromisso a não ser com seus interesses pessoais e sua manifestação sexual, parecendo que vivem em constante estado de frenesi.

Pior ainda é que Hell de Janeiro é a porta do Brasil. Muita gente, lá fora, que confundia a capital como sendo Buenos Ayres, pensa que é o RJ. E, todo brasileiro, passa a ser um malandro e o jeitinho carioca, como se brasileiro fosse,  patrimônio nacional. Inferno do capeta!

A música regional, passa a ser música brasileira !!! Já não basta ter aturado a bossa nova e agora aparece o raio do funk indecência, misógino, pregando em suas letras o estupro, desrespeito total a mulher, ode ao crime  até o cerne das gentes locais. Tudo sempre foi música regional, assim como o maracatu, o axé ou sertaneja. Mas somos jogados na mesma vala cheia de excremento fétido da carioquice. Dos eixpertos da bala perdida, pegando o trabalhador, também vítima dessa gente que predomina e que não tem  como sair dali.

Tem carioca que não admite esse texto, briga, ofende, proibe , vira inimigo. Mas tudo tem um limite. Não quero ser jogada no mesmo saco dessa gente. Mesmo porque fui lá há décadas e a última vez de passagem.

Por último temos notícias, do RJ, de um camarada com carteira de motorista suspensa, portador de epilepsia e que omitiu sua doença no exame médico do DETRAN, dirigindo um carro, tem um ataque e passa por cima de transeuntes que pegavam a fresca da noite na praia. Mata um bebê de oito meses e foge. Como ficar sem ser tomado de raiva, de ódio ante uma notícia dessas e que ficará a deriva, sem punição a altura do crime hediondo? Justiça? Juiz ? Cidade e seus habitantes feitos de merda, de indiferença ao outro. Eu generalizo sim, porque o Carnaval já enche as ruas de vagabundos, alienados que não se mobilizam para buscar a honra, a honestidade e a retidão. Mas concentram-se na bandalha sexual, nas orgias regadas a muita droga, sustentando o crime organizado sem o mínimo pejo.

Joguem uma bomba naquele lugar e nos poupem dessa gente ordinária. Ou parem de nos dar notícias regionais como não dão de outros lugares.

Basta!! Já deu ...

Se tem estômago, KLIKA 



quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

A luz no fim do túnel

- Só observando ...
                                   
Para quem morre cedo perde a oportunidade de observar, senão viver, o envelhecimento de uma pessoa.
Eu estou envelhecendo. Estou negando, tentando olhar para mim mesma e não ver que , cada dia mais, pareço com mamãe. Eu vi uma foto dela quando tinha seis anos e a minha, na mesma idade, é capaz de ser confundida.

O envelhecimento começa a ser percebido quando alguém lhe chama de senhora. Eu tinha trinta anos quando isso ocorreu pela primeira vez. Posso admitir que foi porque apresentei-me como advogada, não sei. Mas é um choque.
Outro sintoma é quando você  vai dar lugar a uma pessoa mais velha e percebe que é da sua idade.
Caramba, e quando se chama alguém na rua, na fila do banco de senhora ou senhor e percebe que é mais novo!
Mas o terrível é, de repente uma pessoa da sua idade, com ares de jovenzinho, dizer que você é velha. Isso ocorreu comigo há tempos, um dono de uma  casa de computadores, mais velho do que eu, entre cinquenta e cinco/sessenta anos, estava aos beijos com uma mocinha, atrás do balcão. Quando pedi a cópia de uma conta de telefone, ele me pediu o meu CPF. Eu respondi que era somente a cópia e não precisava mostrar nenhuma documentação. Ele passou a me dar aulas sobre a necessidade de identificação para protegê-lo, sei lá do que. Pedi o documento de volta para tirar a cópia em outro lugar , agradeci, disse que não precisava dar aulas a seu vigário e fui saindo. Quase chegando na porta da loja e de costas, ouvi ele dizendo alto:
-Velha...
Virei-me, encarei-o e disse;
- Tomara que fique velho, com saude mental para não dar vexame por aí.
E fui embora.
Foi a primeira vez que alguém me chamou de velha. O trauma foi tão grande que nunca me esqueci. Passo na  frente na loja e evito olhar para dentro.

A caminho da morte não é fácil. O mundo nos diz a toda hora. Depois essa gente reclama de bobagens. Esperem, porque nunca termina.

domingo, 7 de janeiro de 2018

Compra e venda: Valor do imóvel

- Construa certo, contrate um arquiteto
                 
Sem querer defender ninguém mas para o debate, leio que o pré candidato a presidência da república, Bolsonaro, comprou imóvel abaixo do seu preço de mercado. A matéria insinua corrupção, má fé ou  alguma maracutaia. Pego o gancho para escrever, de forma reduzida, o que há muito tenho vontade de fazer; preço de imóvel real e preço de mercado, avaliado por corretores. 

Eu sempre fui poupadora, desde quando comecei a trabalhar como professora primária aos dezoito anos. Não havia Caderneta de Poupança e perdi dinheiro em especulação de Bolsa de Valores com Títulos de Crédito. A inflação comendo solta e o dinheiro suado de professora primária,  sumindo num piscar de olhos. Só de lembrar tenho ânsias.

Não vou dissertar sobre a evolução da economia nacional e nem dos mecanismos usados pelo governo para proteger o dinheiro público e da população, ambos miseráveis  de marré deci. Apenas constato evolução na mudança das vantagens de aplicar o dinheiro em imóvel ou em renda capitalista disponível. Mas, prestenção: Tudo a longo prazo, nada pra ontem.

Então, para proteger-se da inflação galopante, antes do Plano Real, a melhor forma de proteger seu dinheiro era adquirir imóveis. Ainda mais que havia muita  deficiência nas unidades de moradia e a insegurança dos contratos na aquisição da casa própria eram verdadeiras arapucas. O aluguel chegava ao preço de 1% do valor real do imóvel para venda. 

Mesmo  com a inflação, eu sempre acreditei que poupar e comprar pela CAIXA valia a pena. Assim fiz, assim comecei minha vida de dona de imóvel. Mesmo na pindaíba mas poupando até em palitos de fósforo. Quando conseguia fazer uma boa poupança comprava imóvel para alugar. Não vou entrar em detalhes mas afirmar com segurança que essa conversa de valorização de imóvel é tão mentirosa que devia ser considerada crime de estelionato, isto é, comprar por um preço e vender com valorização de porcentagem maior. Non exsiste!
Comprei imóvel para morar, outros, lofts que reformei  e na hora de vender não ganhei um tostão furado. Se não afirmo que perdi dinheiro é porque aluguei e tirei o prejuízo em alguns anos. Ou perdi sem contar até dez mas recuperei em negócio cruzado. Capitalismo é dinheiro rodando. Isso para dinheiro de classe média e não ricaço que pode ter e tem milhões aplicados no mercado de capitais e centena de imóveis, que podem ficar fechados que um aluguel cobre o outro.
Nesse terreno dos medianos, tanto a conversa é mentirosa, que compra, venda e aluguel de imóvel passou a ser feita, cada vez mais, sem um corretor. Se deixar nas mãos deles o imóvel fica parado e nada acontece. Pedem muito mais que o valor, querem receber porcentagem da comissão acima da lei, são maliciosos e dão nó em pingo d'água. Só funciona com corretor honesto, que avalia dentro dos preços de venda real e cobra a porcentagem correta. Ainda existe e toda atenção é pouca.
Com  a facilidade que eu tenho em elaborar contratos, transitar em meio a documentação e Marcus que sabe fazer negócio, o corretor ficou de lado e usamos o OLX. Não foi opção mas sobrevivência e para um ou outro dá para fazer. Para mim e para clientes, os quais dou  cobertura jurídica. Ainda mais que o brasileiro comum  é mais honesto do que pregam os seus eternos caluniadores em busca de provas de que não valemos nada. Não vou afirmar que aqui não tem espertinho mas é coisa pouca.
Transitar pela trilha de preços de compra e venda de imóveis com  alugueres  é uma arte mas dá para fazer se a pessoa não tem preguiça de pensar e pode ter orientação preventiva de um advogado pois fica, inclusive,  mais barato.

Um dos maiores males desse país é generalizar o Brasil como se Rio de Janeiro e São Paulo (suas respectivas capitais) fossem. A horda de ladrões e espertalhões havidos e originários dessas duas cidades, duas metrópoles cosmopolitas, terras do jeitinho e dos espertinhos, do levar vantagem e tratar a todos como otários, vertente final de bandidos do país todo e quiçá do mundo, é responsável direto pelo subdesenvolvimento e da miséria que nunca se estanca. Pois são historicamente hegemônicos na política e na economia. E da má reputação ao povo brasileiro porque o estrangeiro pensa que o Brasil resume-se nessas duas cidades, poço sem fundo das maracutaias, da ladroagem e da safadeza elevada a centésima potência.

Voltando ao assunto, essas reportagens, dando conta de má fé na  compra e venda de imóveis, feita  abaixo da avaliação dos profissionais é falsa, com todas as letras. E, se uma pessoa tem um bom negócio a fazer não é raro vender abaixo do que quer pois não tem comprador do preço ideal. Já comprei assim, já vendi assim e dei cobertura jurídica para mais de um.
O segredo é ficar de tocaia, esperando a chance, poupando e aplicando nas opções havidas. Com o tempo e algumas cabeçadas, aprende-se a fazer e trocar idéias com alguém de confiança ajuda muito.
O resto é conversa de quem nunca transitou por este mercado ou motivo para falar mal, como sempre. 

Não viu? KLIKA, apenas para pensar porque os políticos, aqui, são apenas pano de fundo


sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Não é o que é

                  
Virei deboche na minha casa. São como os memes da moçada. É que, quando contrariada, ou acontecia uma coisa ruim na cidade, eu dizia que ia sumir, ia embora para Natal/RN.

Não sei o motivo criado pelo meu cognitivo, sobre  o Rio Grande do Norte ser um lugar bom para se viver. Talvez por ser no extremo do país,  onde só tem Sol e céu azul. Nem sei se lá tem a umidade monstro de Guarapari/ES. Com saudades do clima seco de Belo Horizonte/MG, minha nostalgia criou a figura no cérebro e lá ficou.

Agora um abismo formou-se na minha fantasia, ao descobrir que lá é atrasado, pior do que aqui, mal administrado, bandidagem dominando tudo, dinheiro faltando até para pagar funcionário público com salário merreca. As notícias, mostram uma cidade bonita, desenvolvida, grande, cheia de luz, areia branca, mar azul com águas mornas e gente bonita. Mas o lado feio que rompeu como ferida lancetada é apavorante com a greve da polícia e governo incompetente, devendo a Deus e o diabo. Que pena!

Enquanto isso, vejo o desenvolvimento do ES desde que aqui cheguei, em 1973, calcado nos royalties do petróleo, aplicado de forma a dar vida ao desenvolvimento. Só este mês vão entrar dois bilhões de reais nas contas do estado, pagos pela União nas sobras dos recalculados.
Não sei o índice da criminalidade de Vitória mas por aqui em Guarapari resume-se nos furtos de celulares, provocados pelos bestuntos que não conseguem parar de falar e dão bobeira. Pelos índices, o ES é menor do que o RN menos populoso, menos bonito, menos exuberante, menos lembrado. 

Não há interesse do governo e nem do capixaba de  ter o turismo de massas e nem fazer da indústria do turismo uma fonte de estado. Talvez por isso, tem menos turistas do que o pessoal de fora admira-se e o comportamento dos turistas, este ano, melhorou muito. Estão mais educados no estacionar, transitar nas ruas. Pelo menos não houve atropelamento em faixa para pedestres, provocado por carro de Belo Horizonte/MG como acontece todo ano no reveillon. Não tive notícias de  ninguém fazendo xixi nas ruas e nem estacionar em cima do passeio como gostam os fluminenses.

Quanto o Rio Grande do Norte, vou mudar o meu discurso quando precisar dizer que vou embora para Parságada. Onde vou inventar?

Não sabia ? KLIKA

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

De manso ...

                            
Semana de um ano novo, em um ano velho com músicas sem músicas.
Para dar sorte e esperar que 2018 traga música universal para ouvirmos.

A pior coisa é envelhecer saudosista. Não sou saudosista e nem tenho intimidade com Cesária Evora, que, inclusive já morreu.
É, apenas, um desejo que surjam cantores que cantam e não berrem e que respeitem os tímpanos ainda vivos.
Não sabem quem é ela? KLIKA

domingo, 31 de dezembro de 2017

Presente de Natal e Ano Novo


                   Maestro Georges Pretre e  Maria Callas - Carmen 

Meu presente de Natal atrasado e de Ano Novo !!
Que sejamos felizes em 2018, com  coisa fina e elegância ...

Feliz Ano Novo - 2018

Foto de Louisie, minha vizinha do prédio atrás da minha casa
                                

Que o ano de 2018 seja feliz para todos nós.
E, que nos encontremos no ano que vem...